quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Dom de amor - Poesia


 “O amor de Deus, se vê na caridade”.
               Assim também é o meu amor,
               Que nasceu da sinceridade.
               Mesmo que eu falasse a língua dos anjos,
               Se eu não te amasse,
               Seria como o sino que retine,
               Mais oco, quando se exprime.
               E mesmo que eu pudesse adivinhar,
               Ou tivesse fé para acreditar.
               Se não te amasse, nada adiantaria,
               E vê-lo feliz, eu não poderia.
               Mesmo que eu distribuísse tudo que tenho,
               E mesmo que o fogo me queimasse,
               De nada valeria meus sofrimentos.
               Que não passariam de lamentos,
               Ou alarmantes tormentos.
               O amor é paciente, é bondoso,
               Deve ser sempre honroso.
               O amor não sente inveja,
               Não é orgulhoso e nem mentiroso.
               Não é arrogante,
               E não nos faz inconstantes.
               Não é escandaloso,
               Mais sim audacioso,
               Assim como um rio caudaloso!
               O amor não busca interesses,
               Não se irrita, não guarda rancor.
               Se preciso, esconde a própria dor.
               Não se alegra ao ver infeliz,
               Mas  se rejubila com aquele que quis.
               O amor tudo desculpa,
               Tudo espera, e jamais se desespera.
               Tudo suporta, se preciso fecha a porta.
               Ama mesmo se não for amado.
               Socorre sem ter socorro.
               É um doar-se ao ser sonhado.
               O verdadeiro amor morre pelo outro,
               Se preciso sofre, se esconde.
               Ou apenas se ilude, se apaga,
               Mesmo se ainda é brasa.
               Para que o outro possa brilhar.
               E nunca, jamais chorar...

4 comentários:

  1. Absolutamente maravilhoso este poema. Quando o amor é verdadeiro é até à eternidade.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  2. oi Célia, tudo bem? Como vai meu pequeno Cachoeiro? Vim aqui matar a saudade e ler suas poesias. Acabei de ler sua história no blog da Eliane e fiquei comovida. Mãe é aquela que ama e cuida.
    Beijos e fique com Deus,

    ResponderExcluir
  3. Lindo amiga... Passei pra deixar um beijo.

    Tenha um excelente fim de semana:)

    ResponderExcluir

Será um grande prazer saber sua opinião, ler seus comentários. Sinta-se em casa, arraste a cadeira e tome um café com poesia, que tal?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Real Time Web Analytics