segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Há um Tempo Para Cada Coisa- Seu Pai com os Anjos foi morar - Poesia





Muitas vezes ao passar pela  experiência da "morte", nos perguntamos: Por que? É sempre assim, não é? Essa é uma incógnita que sempre nos acompanhará. Mas como diz o texto do Eclesiastes 3, tudo tem seu tempo e sua hora e, somente Deus pode mudar as coisas e determinar seu tempo e sua duração. 
Mas me parece impossível de não se querer uma resposta quando, um dia após o Natal, duas menininhas de 10 anos ficam órfãs.
Quando, uma outra de 7 anos apenas,  olha com os olhinhos cheios de lágrimas e  pergunta: "O meu pai está enterrado?"  ela queria dizer  internado... era dia 18 de janeiro e seu pai havia morrido com uma descarga elétrica (fora eletrocutado por pisar em um fio desemcapado ao soldar um terraço). E eu, sua tia, tinha que lhe contar que ele estava morto. Mas como? 
No primeiro momento eu quis contar logo e pronto. Porém recebi um olhar reprovador de meu marido. Então recuei, receosa e com medo. E ao me deparar com aqueles olhinhos azuis tristes fiquei paralisada. Sem saber como contar, foi horrivel esse momento. E sei que até hoje, passados 13 anos, aquela garotinha chora à noite...
Eu sei que os momentos passam, as tristezas, as alegrias, as dores, tudo passa. Porém, ficam as marcas, as cicatrizes. Mas apesar delas, e da dor que causam em nós muitas vezes, precisamos superar nossos traumas, nossas perdas, nossas decepções. Pois a vida é assim e tudo tem seu tempo, não é mesmo assim?  Esse texto me veio em mente ontem ao ver duas de minhas catequisandas desesperadas com a perda da mãe.  Elas são gêmeas e tem 10 anos. Ontem elas estavam vindo da igreja as 20:30 hs mais ou menos, quando a mãe passou mal. E, sendo socorrida e levada ao hospital, morre no caminho. 
Sei que Deus ao permitir essas dores tem um objetivo, não nos cabe saber qual, nem questionarmos. Porém nem sempre conseguimos deixar de perguntar o por que? Muito embora isso não resolva, porém nos faz colocar para fora nossos fantasmas e nossos algozes.
Podemos questionar, podemos sofrer, podemos nos desesperar, o que não podemos de forma alguma é perder nossa "FÉ" em Deus. E nem desacreditar que tudo que "ELE" permite é para nosso bem, mesmo que seja um bem futuro, um bem que não conseguimos dimensionar no momento exato da dor. 
E penso que fim de ano é sempre uma ótima oportunidade para reavaliarmos nossos atos, e nossos deveres principalmente. Tempo de fazer uma retrospectiva do que estamos fazendo de nossas vidas:
Estamos gerando a vida  ou matando? 
Estamos plantando em nossos canteiros da eternidade ou arrancando? 
Estamos deixando morrer  algo  em nós  estamos nos curando? 
Erguemos em nossos terrenos vazios ou  derrubamos?
Fazemos chorar ou  fazemos  sorrir?  
Fazemos gemer ou dançar? 
estamos a atirar pedras ou a juntá-las? 
Estamos a abraçar os que necessitam de um carinho ou a aparta-los de nossas vidas? 
Estamos a procurar soluções ou  colocamos tudo a perder?   
Estamos guardando as coisas boas ou jogando-as fora, retendo apenas as más?  
Estamos a rasgar nossos sonhos ou a cozê-los? 
Estamos nos calando quando deveríamos falar ou falando quando deviamos calar?  
Estamos a amar ou a odiar? 
Estamos a promover a guerra ou a fazer a paz?
Devemos ter consciência do que estamos a fazer de nós mesmo e de nossos semelhantes.
Pois devemos procurar estar sempre em sintonia e nos preparando para nossa "grande viagem".






Quando meu cunhado aos 22 anos,  morreu em uma morte estúpida, fiz essa poesia para minha sobrinha, a filha dele: 
          
                 Seu Pai Com os Anjos foi Morar...

               Corri pra que você nascesse,
               Deus te protegeu, e você nasceu.
               Pedi  que sua mãe não morresse,
               E Deus, outra vez, me atendeu.
               Que poderia eu te dizer agora,
               Meu amor, nesta triste hora?
               Vejo seus olhos azuis a brilhar,
               E essa noticia, não queria lhe dar.
               Uma lágrima em seu rosto, vejo rolar,
               Queria poder te proteger, não falar.
               Em seus sete anos, uma história triste,
               Tive que te contar:
               “Seu pai, pra sempre com você estará,
               mas hoje, com os anjos ele foi morar!”
               o pequenino corpo, aos soluços foi me abraçar,
               queria algo poder falar, pra te consolar.
               Mais enquanto vida eu tiver,
               Órfã você não vai ser.
               Te amarei sempre pequenina,
               Você é a menina que não pude ter.
               E do céu, eu sei que seu pai,
               Vai pra sempre interceder, e te proteger!







2 comentários:

  1. Mais um ano está chegando ao fim, e na beleza das noites iluminadas, os sonhos de muitos corações se preparam para a viagem à procura de suas realizações, que ocorrerá durante todo o ano vindouro.
    A mesma ocorreu no ano que por hora se finda.
    Sonhos saíram, alguns já voltaram sorrindo e outros, de mãos vazias, aguardam a chegada do novo ano, para seguir numa nova busca
    E quando a meia-noite trouxer o Novo Ano para o mundo e os fogos de artifício anunciarem a sua chegada, nossos sonhos sairão por aí...
    Que Deus tome a frente e que nas noites sem luar, as estrelas brilhem mais forte, iluminando o longo caminho.
    Que no próximo ano possamos continuar a ser amigos e esperarmos juntos a chegada dos nossos sonhos que partiram, comemorando com imensas taças de amizade verdadeira a vinda e a realização de cada um.
    FELIZ ANO NOVO.....FELIZ 2011

    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Que lindo Marilú, muito obrigada amei. E desejo o mesmo para você, que Deus esteja sempre ao seu lado em cada segundo, iluminando seus passos e te mostrando o melhor caminho sempre, bjs

    ResponderExcluir

Será um grande prazer saber sua opinião, ler seus comentários. Sinta-se em casa, arraste a cadeira e tome um café com poesia, que tal?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Real Time Web Analytics